Como os hábitos de consumo influenciam nas embalagens?

Tempo de leitura: 6 minutos

 

Os hábitos de consumo são um fator que exerce grande influência nos mais diversos aspectos da indústria. No segmento de embalagens, por exemplo, a produção de modelos impressos em papel e papelão tem, nos últimos anos, ganhando mais espaço, enquanto as opções de plástico têm sido preteridas.

Isso é um reflexo claro da alteração nos padrões de consumo da população: cada vez mais aumenta a busca por itens sustentáveis, renováveis e recicláveis. O grau de consciência sobre as necessidades e os desafios do meio ambiente tem levado a um consumo mais responsável.

E não é só isso: há outras tendências importantes nesse mercado. Quer conhecê-las? Continue com a gente e acompanhe o post!

Influenciadores: mais engajamento

Um dos maiores fenômenos dos últimos anos são os influenciadores. São eles que guiam a grande massa de consumidores pelos caminhos recheados de informações do universo virtual. Um estudo da Tetra Pak identificou a existência de “Super Líderes”, que influenciam a preferência por marcas na comunidade digital.

Embora representem, em média, apenas 7% da população online (no Brasil, chegam a 9%), os Super Líderes são os mais ativos e sociais do meio digital. Mais da metade deles (57%) publica avaliações de produtos toda semana e cerca de dois terços (65%) afirmam que ficam mais propensos a fazê-lo depois de uma experiência positiva.

Quando engajados com uma marca, podem se tornar seus evangelizadores: espalham mensagens, formam opiniões e ajudam a aumentar a confiança nos produtos. Mais de três quartos deles (78%) esperam que as empresas respondam às suas avaliações e classificações, interação que melhora a opinião sobre a marca.

Jornada do consumidor: transformações constantes

Cada vez mais, a jornada do consumidor passa do linear para uma rede de múltiplos pontos de contato. Antes de escolher um produto, ele procura pelo menos quatro fontes de informação — e muitas delas estão fora do controle das marcas, como é o caso das redes sociais.

Nesse processo, as avaliações desses líderes são uma das fontes mais confiáveis na visão do consumidor. A era da comunicação passiva e unidirecional acabou: o cliente conectado espera que as marcas se comuniquem com ele de forma omnichannel.

Embalagem: estratégia de engajamento

Um levantamento da Nielsen mostra que, em média, 70% das decisões de compra são tomadas em frente à gôndola. Além disso, entre os gatilhos que impulsionam esse processo estão o tamanho (13%) e o tipo de embalagem (11%). Assim, o pacote pode incentivar a compra por impulso de produtos como chocolates em barra, iogurtes, queijos, biscoitos e molhos de tomate.

Diante desse cenário, a embalagem pode ser estratégica para o engajamento dos Super Líderes e, consequentemente, do público. É possível, por exemplo, imprimir códigos digitais que melhorem a transparência da rastreabilidade e permitam acesso a informações desde a matéria-prima utilizada até a chegada às mãos do cliente.

Dessa forma, o próprio produto, por meio da embalagem, se torna um canal de comunicação. Uma das tendências nesse segmento é o uso de realidade aumentada e outras tecnologias digitais. Assim, pode-se usar o pacote como plataforma para a captura de dados sobre o consumidor.

Tendências: mudança de hábitos

Uma das características do novo consumidor é sua falta de tempo — que é, hoje, um bem muito valioso. Muitas vezes, esses indivíduos se alimentam em trânsito: comem em pé, enquanto andam ou mesmo dentro de trens, metrôs e ônibus.

Essa nova forma de viver cria, constantemente, tendências que devem ser percebidas pelas empresas que buscam estar à frente da concorrência. A partir disso, podem ajustar ou criar produtos adequados às necessidades atuais do público.

É assim que surgem itens como o café que esquenta na própria lata (ao apertar de um botão no fundo da embalagem), os snacks que podem ser despejados diretamente na boca (para não sujar os dedos) e assim por diante. Veja, a seguir, algumas das tendências atuais do mercado de embalagens.

Diferenciação

Ao longo do tempo, as embalagens evoluem para acompanhar o perfil do consumidor. Foi assim que as garrafinhas de iogurte foram substituídas por copos, os copos de requeijão deixaram de ser de vidro (os de plástico são empilháveis e quebram menos) e muitos alimentos passaram a ser acomodados em stand-up pouches (que ficam em pé).

Na busca por hábitos saudáveis, o cliente passou a buscar produtos que contribuem para a manutenção da saúde e do bem-estar. Esses itens ganharam, então, embalagens com design moderno e colorido para atraí-los.

Porções individuais

Um movimento importante engloba a redução do tamanho das embalagens e o aumento das porções individuais. O número crescente de pessoas que moram sozinhas e querem evitar o desperdício levou para esse caminho. No Brasil, entretanto, ainda há muitos consumidores que optam pelas embalagens econômicas, que acomodam mais produto e têm melhor relação custo-benefício.

Praticidade

Praticidade e conveniência são uma busca constante do consumidor. Novas tecnologias aplicadas em embalagens tornam isso possível e ainda aumentam o prazo de validade dos produtos. Assim, embalagens “abre e fecha”, materiais que podem ser levados ao micro-ondas e filmes que vão ao forno são garantia de sucesso.

Sustentabilidade

Um estudo da Europanel, sob encomenda da Unilever, aponta que 21% dos consumidores preferem marcas que investem em sustentabilidade. E essa tendência é mais forte em países emergentes: enquanto 53% das pessoas têm essa preocupação no Reino Unido, na Índia são 88% e, no Brasil e na Turquia, 85%.

O maior engajamento do consumidor em causas ambientais é o responsável por esse comportamento. O público está cada vez mais preocupado com os impactos nocivos das indústrias no meio ambiente, como a escassez de água, energia e alimentos e a poluição do ar, por exemplo.

Com a necessidade constante de atender aos desejos do consumidor e seus hábitos de consumo, é fundamental que as empresas acompanhem essas e outras tendências do segmento de embalagens. Afinal, oferecer opções convenientes é uma forma de suprir as necessidades do cliente para que ele continue fiel à marca. Assim, a companhia garante a competitividade perante à concorrência.

Gostou deste conteúdo? Que tal, então, compartilhá-lo em suas redes sociais? Assim, você ajuda a disseminar esse conhecimento entre outros interessados no tema.