Tudo o que você precisa saber sobre segurança alimentar em lácteos!

Tempo de leitura: 3 minutos

O mercado de lácteos sempre foi um setor muito forte no Brasil. Afinal, é uma questão quase cultural o café da manhã do brasileiro ser recheado de leite e derivados. Entretanto, esses produtos são muito sensíveis a fungos e bactérias, e por isso estão cada vez mais rigorosos os critérios da segurança alimentar em lácteos.

Muitas vezes, não nos damos conta, mas para que o iogurte, o queijo, entre outros, cheguem às prateleiras do mercado, eles passam por supervisão rigorosa. Essa fiscalização é importante pois é uma forma de garantir a qualidade e até mesmo o sabor dos produtos que vão para a mesa do consumidor.

Assim, este artigo abordará a importância da segurança alimentar para o consumidor e como as empresas produtoras de lácteos estão se adaptando e criando embalagens para agradar ao seu público sem desobedecer às regras.

Adaptação do setor lácteo quanto à segurança alimentar

Como vimos, o setor lácteo é um dos que sofrem o maior rigor, com todo o processo supervisionado, desde a origem até a distribuição. A fragilidade desses alimentos para a proliferação de fungos ajuda a explicar essa atenção especial.

Com o tempo e as novas descobertas, alguns tipos de embalagem foram descartadas e outras foram criadas para garantir maior conservação e qualidade dos produtos, o que exigiu das empresas várias adequações.

As empresas do setor precisam realizar um trabalho dobrado: ao mesmo tempo em que as novas embalagens devem atender aos critérios alimentares, também não podem perder a identidade e a aproximação com o cliente.

Por isso, a cada novo critério, as empresas criam novidades para chamar a atenção do consumidor e manter a qualidade dos produtos. A seguir, veja as principais inovações.

Embalagem ativa

Essa é uma grande inovação, que tem como principal característica a capacidade de poder interagir com o produto e, dessa forma, absorver ou liberar compostos que aumentam o tempo de validade da mercadoria.

Embalagem com atmosfera modificada

Essa embalagem conta com um sistema interno que modifica a atmosfera utilizando hidrogênio, oxigênio e dióxido de carbono para controlar alterações nas propriedades da mercadoria.

A aplicação dessa inovação nas embalagens de lácteos possibilita prolongar a vida útil e manter o frescor e a qualidade do alimento.

Embalagem de pouch

A embalagem pouch possui como principal característica a flexibilidade. Ela garante maior higiene do produto ao utilizar um bico para a sua retirada, além de ser espremível, permitindo a utilização por completo da mercadoria.

Embalagem de vidro

Essa inovação ainda está ganhando corpo no mercado. O vidro tem grande poder estético, principalmente porque possibilita que o cliente veja o que está dentro da embalagem, o que é um grande motivador de compra.

Além disso, o material consegue manter de forma eficaz a integridade e o frescor do produto.

Embalagem Mixpack

O grande diferencial dessa embalagem é a existência de dois compartimentos: no caso de lácteos, ela permite utilizar um para a água e outro para o leite em pó. Quando for usar, basta o consumidor romper o selo e misturá-los. Por reduzir o peso total do produto, contribui para a redução de custos e a sustentabilidade.

Por mais rigorosa que seja a segurança alimentar em lácteos, ela se mostra cada dia mais necessária para garantir que nenhum dos produtos ofereça risco à saúde dos consumidores.

Além disso, ao precisarem se adaptar, as empresas têm a chance de sair do lugar-comum e inovar em termos de produção e embalagem das suas mercadorias.

Quer saber mais sobre embalagens e como elas podem ser usadas para alavancar o seu negócio? Siga-nos no Facebook e LinkedIn.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *