Saiba utilizar desenhos nas embalagens para atrair o consumidor infantil

Tempo de leitura: 6 minutos

 

Além de servir para proteger o produto durante seu transporte e a estocagem, as embalagens têm uma importante relevância nas estratégias de marketing. Saber escolher materiais, cores, acabamentos e formatos de acordo com seu público-alvo é essencial para aumentar as vendas e lucros.

Quando se trata de atingir consumidor infantil não é diferente. Confira o post de hoje e saiba como atrair o público infantil com o uso correto de desenhos nas embalagens!

O impacto da comunicação visual nas crianças

É de conhecimento geral que crianças são sensivelmente mais impactadas por itens gráficos coloridos e chamativos. Não é à toa que a grande maioria dos brinquedos e dos produtos infantis usam e abusam de inúmeras cores.

Essa noção popular é corroborada por inúmeros estudos, dentre eles o realizado por acadêmicos da Universidade de Calgary, no Canadá. Algumas crianças foram apresentadas a alimentos fast-food em três tipos de embalagens distintas: brancas, coloridas e com marcas famosas aplicadas (McDonald’s e Starbucks).

A preferência ficou com as caixas coloridas — as marcas não tiveram grande impacto na decisão dos pequenos. O ideal, portanto, é investir em embalagens chamativas, pois é uma aposta segura e essencial para qualquer marca que deseja atrair esse público.

As fases da criança e a influência da comunicação

De fato, as crianças são mais sensíveis às cores do que os adultos. Para que você tenha uma ideia, antes mesmo de aprender a ler e escrever, são as cores que orientam as crianças.

No entanto, à medida que envelhece, a criança passa a ter novas demandas e desejos. Logo, a marca precisa estar atenta à maneira correta de atraí-la. A seguir, veja os grupos que caracterizam os pequenos:

  • exploradores: essa fase ocorre entre os 4 e os 6 anos. Nela, as crianças sentem que vivem em um mundo fantástico — e o que mais atrai a atenção delas são as cores e o movimento;

  • conquistadores: refere-se às crianças entre os 7 e 9 anos. Nesse período, elas são confiantes, observadoras e querem parecer mais velhas — a tecnologia e os esportes atraem tanto meninos quanto meninas;

  • em transição: por último, temos a fase dos 10 aos 12 anos. Nessa idade, a criança está prestes a entrar na adolescência. Logo, ela começa a procurar grupos com os quais ela se identifica — existe uma grande preocupação com a forma como são vistas pelos amigos e por toda a sociedade. Normalmente, as meninas gostam de artigos que valorizem a sua identidade (roupas e acessórios), enquanto os meninos preferem aparelhos tecnológicos (computadores e celulares).

Os desenhos como atração do consumidor infantil

Um outro estudo, desta vez realizado na Universidade da Pensilvânia (EUA), comparou quatro grupos de embalagens — dois deles tinham apenas a identificação do produto e os outros dois vinham estampados com personagens da animação Happy Feet.

Quando perguntadas, as crianças participantes dos testes deram notas maiores às embalagens estampadas com os personagens, embora não houvessem diferenças de sabor, tamanho ou aspecto entre os produtos embalados. Assim, qual seria a razão dessa preferência?

Para os pesquisadores, a vantagem de usar personagens está no alcance emocional que estes exercem sobre as crianças. Quando aplicados em uma embalagem, o personagem passa a ser a figura simbólica que representa a marca.

Dessa forma, no imaginário da criança, o personagem representa as características do produto — a este são atribuídas características do personagem. Super-heróis, por exemplo, são objetos de admiração pelos pequenos, pelas características positivas que evocam: força, sabedoria, agilidade.

Ao ver o herói favorito estampado em uma embalagem, a criança — mesmo que de forma inconsciente — atribui essas qualidades ao produto. Em visitas ao supermercado, é quase certo que elas pedirão insistentemente aos pais que comprem o produto embalado com o personagem favorito e nem notarão o concorrente com a embalagem comum.

Para utilizar personagens famosos nas embalagens de produtos alimentícios — como o super-herói —, é necessário que a empresa detentora dos direitos faça um contrato de cessão que permita a reprodução e a exploração da imagem do personagem. Essa sessão ocorre em troca do pagamento de royalties pelo licenciado.

O personagem alinhado à cultura da marca

Um cuidado que as marcas precisam ter refere-se à escolha do desenho que vai estampar suas embalagens — e isso vale tanto para personagens famosos quanto para aqueles criados pela empresa para ilustrar o produto.

Como vimos anteriormente, o personagem é responsável por atribuir os mais diversos valores ao produto e, por isso, precisa estar em perfeita sintonia com a cultura da empresa.

Na década de 50, a Nestlé lançou o achocolatado Nesquik no mercado europeu e logo se tornou um dos produtos favoritos das famílias do continente em seu segmento.

Contudo, o seu personagem só foi lançado em 1973 nos Estados Unidos, quando Quick Bunny (o coelhinho marrom que usa um colar azul com a letra “Q” — que depois passou a ser um “N”) foi escolhido para representar a marca. Esse personagem foi responsável por conquistar milhares de crianças em território americano e em todo o mundo.

A popularidade do coelhinho deve-se ao fato de que ele era simpático e divertido e ao seu próprio nome — na língua inglesa, “quick” significa “veloz, rápido, ágil, ativo”. Assim, o personagem conseguia transmitir o posicionamento da marca: agilidade no preparo do produto — seu principal diferencial competitivo frente a concorrência internacional.

Cuidados ao associar desenhos e produtos

Sabemos, portanto, que o uso de desenhos como marketing é uma ideia poderosa, mas que deve ser usada com responsabilidade. O uso dessas ilustrações em produtos como batatas fritas, salgadinhos e doces aumenta o consumo desses alimentos pouco saudáveis — o que pode causar problemas de saúde ao consumidor.

Órgãos reguladores, como o PROCON, já estão fiscalizando tais práticas com severidade, como demonstra a multa aplicada ao McDonald’s em 2011, de R$ 3,2 milhões, pela distribuição de brinquedos como brinde na compra do McLanche Feliz.

Neste post vimos como o público infantil é mais atraído por embalagens chamativas e coloridas, com especial destaque para o uso de personagens de animação. Com essas informações em mãos, é possível planejar uma estratégia de marketing eficiente voltada às crianças, dando sempre preferência a produtos saudáveis e de elevado valor nutricional.

Gostou deste artigo? Ficou claro como a utilização de desenhos nas embalagens pode atrair o consumidor infantil? Então compartilhe este post nas redes sociais para que seus amigos também entendam mais sobre o assunto!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *