Comportamento do consumidor: o que mudou?

Tempo de leitura: 6 minutos

O comportamento do consumidor está em constante mudança e a comunicação ativa e intermitente que existe entre ele e a empresa deve se adaptar com a mesma velocidade e intensidade. A empresa se comunica com seu público por meio de suas redes sociais e campanhas publicitárias, mas também transmite seus valores e conceitos na experiência do cliente em seus diversos pontos de contato, inclusive na embalagem de seus produtos.

Então, como adaptar tão rapidamente todos esses elementos para manter os clientes conectados com a marca? A primeira coisa a ser feita é conhecer e monitorar o comportamento do consumidor. E para auxiliar nesse acompanhamento, fizemos uma seleção para este post com as mudanças mais relevantes para os próximos anos. Acompanhe.

Diminuição da fidelidade no comportamento do consumidor

A lista de mudanças começa com uma notícia ruim. Bom, nem tanto. Apesar da fidelidade às marcas estar diminuindo, essa nova dinâmica exige que as empresas sejam mais criativas para manter seu público cativo. Para os novos consumidores, o status de uma marca por si só não terá relevância para a experiência de consumo. Em vez disso, a personalização e a adequação ao seu perfil trarão mais valor.

Nesse sentido, além de serem propostas criativas e modernas de apresentar uma mesma marca, as embalagens personalizadas de campanhas publicitárias sazonais terão impacto muito mais perceptível nas escolhas dos clientes.

Aumento da consciência ecológica

Um estudo global realizado em 2015 pela empresa de pesquisa Nielsen apontou que os Millennials — geração que gradativamente toma conta da população economicamente mundial — estão muito preocupados com os impactos ambientais. Com isso, empresas que assumem o compromisso com sustentabilidade de seus produtos são mais valorizadas por eles. 

Ainda nesse estudo, 66% dos indivíduos pesquisados afirmaram estar dispostos a pagar mais por um produto que seja ecologicamente correto, tanto em sua concepção quanto acondicionamento.

Empresas que oferecem produtos orgânicos têm compromisso com a redução de COe os processos de reciclagem em sua cadeia produtiva são muito mais valorizados, tanto pelo cliente final como por intermediárias que exploram esse nicho.

Um supermercado orgânico, por exemplo, comercializará apenas produtos que reconhecidamente zelem pela diminuição do impacto ecológico, seja pela criação de embalagens recicladas, seja pelo estímulo de produções locais. É válido lembrar, inclusive, que tais modelos de negócios possuem tickets médios mais altos e consumidores fiéis à seleção de seus produtos.

Preferência pelas interações virtuais

O comportamento do consumidor está migrando cada vez mais para o ambiente virtual. Redes sociais e e-commerces são os ambientes de negociações que ganharam muita força com o avanço das tecnologias.

Se antigamente os consumidores tinham receio quanto à segurança das compras online, hoje muitos deles preferem esse tipo de canal ou o utilizam até mesmo dentro das lojas para fazerem pesquisas de preços e condições. Empresas que identificaram essa tendência criaram maneiras de manterem-se conectadas ao seu público, oferecendo acessos aos seus canais pelas embalagens de seus produtos.

Com o uso do QR Code na embalagem de um produto, por exemplo, é possível direcionar o cliente para um site de comparativo de preços, ou para uma página que apresente todo seu processo produtivo.

Considerando mais uma vez a importância da origem de produtos naturais e orgânicos, tal acesso demonstraria, inclusive, a transparência que a empresa deseja oferecer aos seus clientes, convertida ainda em uma experiência virtual de valor.

Valorização das recomendações de terceiros

O valor da opinião e das recomendações de outros consumidores em relação às propagandas é outro fator de mudança no comportamento dos clientes que requer atenção. Nessa nova dinâmica, as redes sociais reforçam o poder do compartilhamento de tais informações. Enquanto no marketing tradicional, os diferenciais do produto são transmitidos pela própria empresa, nas redes sociais, quem avalia se eles são verdadeiros são os próprios consumidores.

Dessa maneira, ter presença nas redes sociais, monitorar constantemente as menções positivas e negativas da marca e incentivar publicações dos consumidores são algumas das rotinas necessárias para o sucesso da empresa. Se as redes sociais e os fóruns de especialistas são uma fonte de pesquisa para os potenciais compradores, garantir que as informações e opiniões dos clientes sejam favoráveis é determinante.

Campanhas que incentivam menções da marca nas redes sociais e a rápida resolução de críticas e reclamações nos canais virtuais garantem que a imagem da empresa em tais meios seja preservada e se torne um diferencial.

Uso intenso dos smartphones

Os novos consumidores usam cada vez mais seus smartphones, e isso é uma grande oportunidade para as empresas que querem ter a atenção de seu público-alvo. Enquanto uma propaganda na televisão divide a atenção dos consumidores com tudo que está à sua volta, nos celulares, há total concentração do usuário.

Mas isso não garante que a mensagem seja transmitida integralmente. Ela precisa ser elaborada para atender às especificações desse dispositivo, ou seja, serem responsivas. Vídeos muito grandes e com informações complexas demais podem ser facilmente descartados antes mesmo de abrirem.

Expectativa por melhores experiências de consumo

Consumidores querem ser surpreendidos, mas essa não é efetivamente a mudança comportamental. O que muda é o uso cada vez mais frequente do Big Data para antecipar as necessidades dos clientes. Assim, ele consiste basicamente em armazenar e analisar todos os dados possíveis sobre o cliente.

Sejam dados de contatos anteriores com a empresa, pesquisas realizadas em e-commerces ou históricos de compras nas lojas físicas, todo registro contribui para a identificação de tendências comportamentais. Essas tendências utilizadas na estratégia da empresa, por sua vez, podem personalizar eficientemente produtos e serviços oferecidos aos clientes, que serão surpreendidos pelos diferenciais apresentados.

O estudo do comportamento do consumidor tornou-se uma informação tão estratégica que sua aplicação para definir estratégias e posicionamentos pode revolucionar os resultados da empresa. Porém, não basta apenas saber suas especificações — é preciso também ter sucesso na aplicação no produto. Isso implica a escolha de fornecedores qualificados.

Sua empresa já vivenciou a frustração de saber o que precisa ser feito para alavancar as vendas, mas não ter os insumos adequados para isso? Além do prejuízo apurado com os insumos de baixa qualidade, quanto isso afetou as vendas? Comente sua experiência aqui no post!